Arte Carnal

 

Orlan representada na ilustração da artista Veridiana Scarpelli para a décima quinta edição da eRevista Performatus

 

Definição

A Arte Carnal é um trabalho de autorretrato no sentido clássico, mas que utiliza meios tecnológicos atuais. Ela oscila entre desfiguração e refiguração. Sua inscrição na carne deve-se às novas possibilidades que nossa época começa a oferecer. O corpo torna-se um “ready-made modificado”, já que ele não é mais este ready-made ideal em que basta pôr uma assinatura.

 

Distinção

Diferente da Body Art, a Arte Carnal não deseja a dor, não a busca como fonte de purificação, não a concebe como Redenção. A Arte Carnal não está interessada no resultado plástico final, mas na operação-cirúrgico-performance e no corpo modificado, que se tornou objeto de debate público.

 

Ateísmo

Acima de tudo, a Arte Carnal não é herdeira da tradição cristã, contra a qual ela luta! Ela revela a negação cristã do “corpo-prazer” e expõe suas falhas frente às descobertas científicas.

A Arte Carnal não é tampouco herdeira de alguma hagiografia permeada de decapitações e de outros martírios; ela acrescenta ao invés de remover, aumenta as faculdades ao invés de reduzi-las. A Arte Carnal não pretende ser automutilação.

A Arte Carnal transforma o corpo em linguagem e inverte o princípio cristão do verbo feito carne em favor da carne feita verbo; apenas a voz de Orlan permanecerá inalterada, a artista trabalha com a representação.

A Arte Carnal considera anacrônico e ridículo o famoso “em dor darás à luz”. Como Artaud, ela rejeita o julgamento de Deus; temos hoje em dia a epidural e várias outras anestesias e analgésicos. Viva a morfina! Abaixo a dor!

 

Percepção

A partir de agora posso observar meu próprio corpo aberto sem sofrer!… Posso observar-me até às entranhas: novo estágio do espelho. “Eu posso ver o coração do meu amante, e o seu design esplêndido não tem nada a ver com a insipidez simbólica habitualmente desenhada.”

– Querida, eu amo o teu baço, amo o teu fígado, adoro o teu pâncreas, e a linha do teu fêmur me excita.

 

Liberdade

A Arte Carnal afirma a liberdade individual do artista e, nesse sentido, ela também luta contra os preconceitos e ditames; é por essa razão que ela se insere no social, na mídia (onde causa escândalo por desafiar as ideias estabelecidas) e irá até mesmo ao tribunal.

 

Esclarecimento

A Arte Carnal não é contra a cirurgia estética, mas contra as padronizações que ela promove e que se gravam particularmente na carne feminina, mas também na masculina. A Arte Carnal é necessariamente feminista. A Arte Carnal interessa-se tanto pela cirurgia estética como também pelas técnicas mais avançadas da medicina e da biologia que questionam o estatuto do corpo e levantam problemas éticos.

 

Estilo

A Arte Carnal ama o barroco e a paródia, o grotesco e os estilos desprezados, pois a Arte Carnal opõe-se às pressões sociais exercidas seja sobre o corpo humano, seja sobre o corpo das obras de arte.

A Arte Carnal é antiformalista e anticonformista.

 

 

PARA CITAR ESTE TEXTO

ORLAN. “Arte Carnal”. eRevista Performatus, Inhumas, ano 4, n. 15, jan. 2016. ISSN: 2316-8102.

 

Tradução de Fernando L. Costa

Revisão ortográfica de Marcio Honorio de Godoy

© 2016 eRevista Performatus e autora

Texto completo: PDF