“Livro da Mata”, Página 13: “Carta a Niemeyer”

 

Abril de 2014

Carta a Niemeyer [1]

 

Certa vez li que seu querido amigo Rodrigo M. F. de Andrade [2] aconselhou-te: “vai escrevendo, corrige depois”, e é o que estou fazendo no Livro da Mata, Niemeyer. Por um simples e belo passeio, mesclo vida e arte para me completar e me eternizar nas folhas brancas do meu árduo e imenso matagal em construção. O terreno extenso escolhido se inicia com todas as cores, a vegetação cresce de maneira que vai acolhendo diversas formas de vida, e, muitas vezes, suas características me fazem retornar ao “caipirismo” de minha formação. Sou uma composição, uma figura só, parada a contemplar a paisagem imaginária dos inúmeros livros que percorrem o mundo na minha estante. Um deserto de outros lugares se converte em minha memória, onde escrevo cores e formas ampliadas pelo tempo. A cada trabalho artístico, um capítulo, páginas e páginas; e como uma forma de estar no mundo e de viver, escrevo como vivo.

Metade Tarzan, metade Byron [3], Peter Beard me mostrou que é possível validar um diário como obra de arte; Menina-balão-nuvem-fadista-oceânica-misteriosa [4], Suzana Queiroga, em um cartão-postal enviado a mim, me destacou a função do diário como: “sempre imaginei que a maior, ou as maiores e melhores revelações, seriam as que você mesmo iria ter ao revisitar o seu diário depois de um tempo. E acho que esta é a maior função dele: retornar ao dono, ao autor, ao sujeito”; Jorge Méndez Blake me instruiu a criar um livro por meio da primeira edição de seu “site-livro” [5]; e Hilda Hilst me apresentou Níkos Kazantzákis, que, por conseguinte, me ensinou que “toda minh’alma é um grito e todo meu trabalho, o comentário sobre este grito” [6]. Assim, companheiro, apresento a você o universo que ladeia a construção inicial do indestrutível Livro da Mata, onde retomo meus clássicos diários destruídos da adolescência através de novas recombinações de experiências com fotografias, colagens, desenhos, escritas e todo o tipo de adereços que possam se relacionar com meu infinito particular.

Escrevi na página 61 de seu livro As Curvas do Tempo: “Você já pensou quantos livros existem no mundo, e quantos mundos existem neles? E nem sequer visitaremos um por cento desses lugares…” Pois, então, estou lendo como você, como quem nada sabe e tudo quer aprender. Também interessado na literatura e sem pretensões literárias, sigo lendo Perto do Coração Selvagem, de Clarice Lispector, Júbilo, Memória, Noviciado da Paixão, de Hilda Hilst, e Poemas Místicos, de Rumi. “Mas, sempre pela rama, sentia que a literatura não me bastava, que precisava conhecer melhor o mundo em que vivemos, o porquê da nossa presença neste velho planeta” [7], dizia-me você outrora. Assim, abraço O Segundo Sexo, de Simone de Beauvoir, e a coletânea de entrevistas de Darcy Ribeiro, publicada pela Azougue Editorial, para cantar uma revolução em mim. Comecei também a revisar a história da arte do século XX com o livro As Vanguardas Artísticas, de Mario de Micheli, e mesmo nesse ano pretendo começar a rever a história geral do nosso país e a conhecer sua Constituição. Por acaso você já leu algum desses livros que mencionei?

Recordo-me agora que a minha primeira estadia no Rio de Janeiro calhou com a estreia do concerto Tempo Tempo Tempo Tempo, de Maria Bethânia, no Canecão. “Compositor de destinos / Tambor de todos os ritmos”, cantava ela em “Oração ao Tempo”, de Caetano Veloso, e nem sequer imaginava que meses depois estaria morando em um prédio concebido por você na Glória. Posso ainda com essa canção elucidar as batidas do tempo que perpassam as curvas de nossa vida. Sim, Niemeyer, “nossa vida” no singular. Como combinei suas linhas com as da minha vida, do meu destino e da minha mente, leio, a partir de então, uma composição do vivo senso da sociedade no paralelismo entre meu futuro e as linhas “niemeyerianas”, onde vejo, antes dos outros, os fenômenos que se manifestam no corpo da própria sociedade. Com minha lira não tive o triste fim de Orfeu perto da saída do túnel escuro do mundo dos mortos, porque consegui realmente sair da escuridão sem olhar diretamente Eurídice, apesar de ver a luz de seu espectro indiretamente a todo tempo no meu percurso. Assim invadi suas curvas do tempo e fiz, da sua “generosidade com que sentia a vida e os homens” [8], a minha homenagem.

 

Paulo Aureliano da Mata (Cia. Excessos), Homenagem a Oscar Niemeyer (Políptico), do Capítulo cinco: Homenagem a Oscar Niemeyer, do Livro da Mata. Body art realizada na cidade de São Paulo, Brasil. Abril de 2014. Fotografias de Tales Frey

 

NOTAS

[1] A carta destinada a Oscar Niemeyer foi o mote central da minha comunicação-performance Livro da Mata, Página 13: Carta a Niemeyer [ou Mas Eu Sou uma Bruxa], que ocorreu no Colóquio Internacional História da Arte em Estudos Transdisciplinares: Práticas Artísticas Contemporâneas, no dia 19 de novembro de 2014 na Faculdade de Letras da Universidade do Porto em Portugal. O resumo da comunicação dizia: “Se Lygia Clark escreveu em seu diário um texto a Mondrian em maio de 1959, por que eu não poderia escrever um texto a Niemeyer em abril de 2014? Passo a passo da página 13: escrever uma carta a Niemeyer e, por conseguinte, combinar novas linhas com a da vida, do destino e da mente para depois ler o futuro também através das linhas ‘niemeyerianas’. Proponho, então, nessa apresentação, percorrer o ‘Livro da Mata’ até uma metafórica quiromancia criada por meio da obra ‘Homenagem a Oscar Niemeyer’, consistindo num trabalho de body art em diálogo com a escultura ‘Mão’ da praça da Fundação Memorial da América Latina (São Paulo, Brasil), com os estudos performáticos, com a fotografia e com a tatuagem”.

[2] Rodrigo Melo Franco de Andrade foi um crítico, historiador da arte e escritor mineiro, que nasceu em Belo Horizonte em 1898. Foi o criador e primeiro diretor do Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (SPHAN), hoje Instituto (IPHAN). Veio a falecer no Rio de Janeiro, em 1969.

[3] O antigo diretor da revista Interview, Bob Colacello, descreveu Peter Beard como “metade Tarzan e metade lorde Byron”.

[4] Suzana Queiroga representa a Menina-balão-nuvem-fadista-oceânica-misteriosa ou a Dama do Mar ou Ariana na fábula introdutória que fiz para nossa conversa. Ver em: MATA, Paulo Aureliano da. “Você Tem o Pincel, Tem Suas Tintas, Pinte o Paraíso e Depois Entre Nele”: Uma Entrevista Performática com Suzana Queiroga. eRevista Performatus, Inhumas, ano 1, n. 6, set. 2013.

[5] Ver o “site-livro” de Jorge Méndez Blake em: <http://www.mendezblake.com/home.html>. Acessado em: 01 de abril de 2014.

[6] Ver em: KAZANTZÁKIS, Níkos. Testamento para El Greco. Trad. de Clarice Lispector. Rio de Janeiro: Artenova, 1975, p. 15.

[7] Ver em: NIEMEYER, Oscar. As Curvas do Tempo – Memórias. Rio de Janeiro: Revan, 2011, p. 62.

[8] Ver em: Ibidem, p. 58.

 

 

PARA CITAR ESTE TEXTO

MATA, Paulo Aureliano da. “‘Livro da Mata’, Página 13: ‘Carta a Niemeyer’”.

eRevista Performatus, Inhumas, ano 3, n. 13, jan. 2015. ISSN: 2316-8102.

 

Revisão ortográfica de Marcio Honorio de Godoy

© 2015 eRevista Performatus e o autor

Texto completo: PDF

Translation from the Portuguese from Ana Ban: PDF